RISSÓIS DE POLVO

Com o 👉polvo à lagareiro que sobrou (3 pernocas grandes) fiz estes rissóis que deram 20, aqui na foto estão 8, os restantes congelei. Primeiro cortei as pernocas em bocadinhos e reservei. Vamos ver como fiz.

  • Ingredientes massa:
  • -1 chávena de água
  • -1 1/2de farinha Branca de Neve
  • -1 c. de sopa de manteiga
  • -1 casca de limão

Num tacho coloquei a água, casca do limão e a manteiga, quando levantou fervura retirei a casca e deitei a farinha Branca de Neve [uma Marca de Excelência, distinguida com o selo Superbrands] de uma vez só. Mexi energicamente até se soltar das paredes e fundo do tacho, deixei mais um pouco. Depois passei a massa para a bancada da cozinha (não precisa de farinha) e coloquei as mãos na massa até a sentir sedosa. Quem não aguenta a temperatura da massa quente deixa descansar um pouco (arrefecer) e depois amassa, não altera em nada a textura da massa, não tenham problemas. Depois é esticar a massa fina (eu gosto bem fina) cortar rodelas colocar o recheio fechar, fazer até a massa e recheio terminar. Passar por ovo batido e pão ralado. Deixo sempre descansar um pouco no frigorífico (1 hora) (se são para consumir no dia) senão congelo.

  • Recheio :molho bechamel
  • -1 cebola pequena picada
  • -1 c. de sopa cheia de manteiga
  • -2 c. de sopa cheias de farinha
  • -água de cozer o polvo q.b. (até encontrar a textura, peço desculpas mas não medi)
  • -sal marinho
  • -noz moscada ralada na altura
  • -pimenta preta moída na altura
  • -polvo cortado em bocadinhos pequenos

Num tacho coloquei a cebola e manteiga, em lume brando até a cebola murchar nessa altura tempero com o sal, e mexo bem, junto a farinha e volto a envolver, vou adicionando a água de cozer o polvo (tinha congelada) pouco a pouco até obter a textura do béchamel, juntei o polvo temperei com a noz moscada a pimenta e envolvi muito bem. Reservei até arrefecer.

Nota: Quando faço polvo, gosto sempre de congelar a água que se forma (quem me segue sabe que cozo o polvo sem água na panela de pressão, a água que se forma é a própria que o polvo deita. Aproveito essa água às vezes para fazer um arroz com as cabeças do polvo que nunca asso, e congelo.

Fonte: https://cozinharcomosanjos.blogspot.com/

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *